Pular para conteúdo
Olá 👋🏾, eu sou

Victor Magalhães

Pronomes:
ele/dele.

Desenvolvedor de Salvador, Brasil com 3 anos de experiência em front- e back-end.

[email protected]
Disclaimers Aqui não há lugar para o ódio. Este espaço está em defesa das mulheres, da população negra, indígena, pobre, LBGTTIQ, imigrante, muçulmana, judia, refugiada e todas as pessoas sob ataque. #SomosTodasAntifascistas

Apoia o atual presidente? Você não é bem vindo, fascista. Saia 👋🏾

Espécies estão sendo extintas; cidades, afundadas; já está faltando comida. Mas ainda dá pra fazer algo contra a catástrofe climática:

Cadeira de Barbeiro: Ética artificial?

O que me preocupa nisso é que máquinas e programas, objetos materiais que são, não podem ser responsabilizados por resultados anti-éticos ou amorais. Ética e comportamento humanísticos generoso são apanágio dos humanos. É humano desconsiderar eventuais características de outrem em prol de tratamento digno igualitário. É humano perdoar erros ou admitir falhas. Se fosse possível incluir na evolução da IA vieses humanos, nem sempre lógicos ou matemáticos, isso seria alvissareiro e positivo.

Contemplar decisões com base em simples cômputo numérico, reforçado por resultados anteriores de sucesso e fracasso, é abrir mão da humanidade que ainda temos. Não se espera de um programa com IA que, por exemplo, na análise de concessão ou não de um empréstimo a um solicitante, exiba um comportamento “humano” como é o caso da intuição e da emoção. Pelo contrário, a regra que “aprendeu” da experiência anterior será inflexível: se há riscos financeiros no investimento, ele não será feito, mesmo nos casos em que, humanamente, a decisão pareceria cruel ou imoral. No confronto insensível dos números e resultados, a decisão tomada será a logicamente vantajosa, mesmo que moralmente abjeta. Lembro do filme de Kubrick e Clarke, 2001 Uma Odisséia no Espaço, quando Hal, o “inteligente” computador de bordo que controlava a viagem da nave, decide deixar o humano (Bowman) morrer fora da espaçonave, para não colocar em risco a meta principal da viagem.