Pular para conteúdo
Olá 👋🏾, eu sou

Victor Magalhães

Pronomes:
ele/dele.

Desenvolvedor de Salvador, Brasil com 2019 anos de experiência em front- e back-end.

[email protected]
Disclaimers Aqui não há lugar para o ódio. Este espaço está em defesa das mulheres, da população negra, indígena, pobre, LBGTTIQ, imigrante, muçulmana, judia, refugiada e todas as pessoas sob ataque. #SomosTodasAntifascistas

Apoia o atual presidente? Você não é bem vindo, fascista. Saia 👋🏾

Espécies estão sendo extintas; cidades, afundadas; já está faltando comida. Mas ainda dá pra fazer algo contra a catástrofe climática:

Optimize for learning

Um artigo curto sobre porque mais times deveriam otimizar para aprendizado ao invés de para velocidade ou quantidade, e sobre como não fazer isso pode incentivar mostrar certezas que não temos.

I’m a designer. My team expects me to know the right way to design things.

But I don’t always know the right way to design things.

It’s hard for me to say “I don’t know the right way to design this.” It makes me vulnerable. It feels bad. So I often say “I know the right way to design this” when I don’t know. I make my best guess at the right design.

Quem nunca?

Most software teams are optimizing for something. Most optimize for speed. I still hear “move fast and break things,” despite the fact that Facebook moved fast and broke democracy.

Sick burn, I like it

So what if instead of optimizing for speed or quantity or quality, a team optimized for learning?

(…)

Optimizing for learning requires embracing unknowns. It forces exploration, and rewards risk-taking. When new knowledge is shared, each new iteration is safer, more confident, and even more educational.

Como fazer isso? Da próxima vez que for dizer um eu sei como fazer isso sem realmente saber, considere um

“I don’t know. Let’s find out.”

E, claro, se estiver no seu poder, ajude a garantir que as pessoas de seu time se sintam a vontade para dizer isso também 😉.